Biografia de Henri Loison

Loison, Henri-Louis
Conde do Império Francês
n: 13 de Maio de 1771 em Damvillers (França)
m: 30 de Dezembro de 1816 em Liège (Países Baixos)

Filho de um deputado à Assembleia Constituinte francesa, alistou-se em 1791 num batalhão de voluntários, sendo tenente quando a França declarou guerra ao "Rei da Boémia e Hungria," o Imperador alemão, em Abril de 1792. Capitão de hussares em Julho, serve com os exércitos franceses que actuam na actual Bélgica, sendo responsável pela pilhagem da célebre e riquíssima abadia de Orval em Junho de 1793.
General de Brigada em serviço no Exército do Interior, ajuda o general Bonaparte na repressão da insurreição monárquica de 13 de Vendimiário do ano IV (5 de Outubro de 1795). Presidente do tribunal que julga, e condena, os cabecilhas monárquicos da insurreição, não acompanha Bonaparte, quando este assume o comando do Exército de Itália. Enviado em 1799 para o Exército da Helvécia (Suiça) é nomeado General de Divisão por Massena. Participa na Campanha de Itália de 1800, mas não está presente em Marengo. De 1801 a 1804 é comandante de uma divisão militar territorial. Em 1805 é comandante de uma Divisão do 6.º Corpo de Exército, dirigido pelo marechal Ney, batendo-se em Elchingen, e depois da rendição de Ulm, ocupa o Tirol. Sendo encarregue das contribuições de guerra impostas à região, fica com a maior parte do dinheiro para si, não conseguindo o próprio Ney que ele entregue o que reteve.

Em princípios de 1806, perde o braço esquerdo num acidente de caça, o que o impede de recuperar o comando da sua divisão durante as campanhas de 1806 e 1807. Participa no cerco da fortaleza prussiana de Colberg, comandando uma divisão de reserva, e após a assinatura do tratado de Tilsit é nomeado governador de uma região do novo Reino da Vestefália, criado por Napoleão para o seu irmão mais novo, Jerónimo.

Por ordem de Napoleão Bonaparte de 30 de Outubro  de 18071, é nomeado comandante da 2.ª divisão do Corpo de Observação da Gironda, que invade Portugal em Novembro, substituindo o general Laroche, que abandonou o corpo, por motivos de doença, em 21 de Outubro. Chega a Lisboa, nos primeiros dias de Dezembro, não tendo conseguindo acompanhar a sua divisão nas marchas forçadas que a trouxeram até Lisboa, sendo enviado para o norte da capital. É encarregue das expedições punitivas que se realizam em Maio e Junho de 1808 contra as populações insurrectas do Norte de Portugal e do Alentejo. Estando em Almeida, foi encarregue da ocupação do Porto, após a retirada das tropas espanholas daquela cidade, em Junho de 1808, mas será derrotado pelas Milícias e Voluntários das Ordenanças de Trás-os-Montes em Mesão Frio. Regressado a Lisboa, é enviado de imediato para o Alentejo, dispersando as forças insurrectas em Évora, o que o impede de chegar a tempo de ajudar Delaborde, no combate que este trava contra Wellington na Roliça.

Abandona Portugal, onde ficou conhecido pelo Maneta, sendo enviado para Espanha com o 8.º Corpo de Exército. Junta-se ao corpo de Soult quando este é encarregue da invasão de Portugal, após a batalha da Corunha, tendo ordens de ocupar Trás-os-Montes e proteger assim o flanco esquerdo do exército francês. Não consegue manter a linha do Tâmega, na luta que trava com o coronel de cavalaria Silveira, que encontra pela frente pela segunda vez, em dois anos, e praticamente no mesmo local. Recuando para Guimarães, obriga o exército francês a retirar pelo norte de Trás-os-Montes, quando este abandona o Porto, em vez de pela Beira como estava nos planos de Soult.

Em 1810 é novamente comandante de uma divisão do 6.º corpo de exército que, sob o comando de Ney, integra o Exército de Portugal comandado por Massena. Participa na batalha do Buçaco onde a sua divisão é rechaçada pela brigada portuguesa do general Coleman. Toma o comando do 6.º corpo durante a retirada de Portugal, quando Ney demitido por Massena regressa a França, e dirigi-o na batalha de Fuentes d'Oñoro, sem grande merecimento. Abandona o comando do corpo em 7 de Maio de 1811 e regressa a França.

Em Março de 1812 é encarregue da organização da Guarda Nacional, e em Maio será colocado no Exército que invade a Rússia. É nomeado Governador de Koenigsberg e mais tarde dirige a defesa de Vilna, na Lituânia. Ney acusa-o de abandonar o seu posto, e Napoleão manda-o prender em Março de 1813, mas liberta-o em Abril, dando-lhe um comando sob a ordens do marechal Davout. Estará em Hamburgo quando a cidade é cercada durante a Campanha da Alemanha de 1813.

Regressado a França em 1814, será feito Cavaleiro de São Luís e comandante de uma região militar, mas em Janeiro de 1815 é colocado no quadro de adidos. Apoia Napoleão durante os Cem-Dias sendo coberto de honras. Com o regresso de Luís XVIII é reformado, indo viver para Liége, no recém criado Reino dos Países Baixos. Morreu em 1816, com 45 anos, não tendo tirado partido dos 20 anos de pilhagens a que se tinha dedicado sob a capa de general da Revolução e do Império.

Fonte:
Jean Tulard e outros,
Histoire et Dictionnaire du Consulat et de l'Empire,
Paris, Laffont, 1995.
0